Menu

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Novela:Caminho das Indias,*Reflexão.

“Tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-lhes o coração insensato” – Romanos 1:21.
A estréia da novela Caminho das Índias tem despertado polêmicas, principalmente na troca de emails na Internet.
Paulo e Valdeti Campos, missionários na Índia, pela Junta Menonita de Missões Internacionais alertam para a diferença entre o país mostrado na novela e o verdadeiro país mergulhado em trevas, com seus milhões de deuses:
“Não para nossa surpresa descobrimos que será uma novela totalmente voltada para a divulgação do hinduísmo no Brasil. Para quem não sabe, grande parte da população da Índia é hindu. O hinduísmo é uma religião politeísta com seus mais de 33 milhões de deuses, que são adorados das mais diversas maneiras. Quando o telespectador brasileiro ligar sua televisão para ver essa novela, estará abrindo as portas do seu lar, sua mente e coração para receber toda a influência do culto e adoração dado a estes deuses e seus mantras, rituais, sacrifícios e oferendas”.
A Globo, com suas novelas, é uma das grandes responsáveis pelo “apodrecimento” do conceito de família no Brasil. Um dos pontos mais nítidos: casamento, família, relacionamento familiar marido e mulher, pais e filhos são detonados durante um ano inteiro na novela, mas no último capítulo ouvimos o quê...? A marcha nupcial... O último capítulo é reservado ao casamento na igreja, véu e grinalda, etc..., etc... E, muitas vezes, são casamentos coletivos. Pura zombaria de quem tem o poder da mídia na mão e audiência garantida! 
Quem é mais “antigo” lembra que assim nos filmes como nas novelas, “mocinho” era “mocinho”, “bandido era bandido”. Uma época mais ingênua. Os personagens principais, com o tempo foram perdendo qualquer tom de moralidade, fidelidade, compromisso, etc.... Hoje, transitam do amoral para o imoral. 
O herói de hoje trai, tem amantes, se orgulha de ser infiel. É por ele que grande parte dos cristãos é levado, consciente ou inconscientemente, a “torcer” “religiosamente” das 21 às 22 h, seis dias por semana. 
As novelas das 6, consideradas “novelas de época” já pregaram abertamente o espiritismo e a reencarnação: “Estrela guia”, “Um anjo que caiu do ceu”, etc... . Em uma delas havia um médium que explicava detalhadamente toda a doutrina espírita. Um verdadeiro “púlpito”. O telespectador, sem querer ou ter autorizado, transformava sua sala em centro espírita, participando da “sessão”.
É o que vai acontecer agora, novamente. Essa nova novela é coerente com o compromisso da Globo com a feitiçaria, satanismo e nova era, pregada do seu “púlpito” nos últimos anos. 
Infelizmente, incoerentes muitas vezes, somos nós, os cristãos, pois televisão vive de audiência, “ibope”. Se, parte dos milhões de cristãos brasileiros deixasse de engrossar seus índices de audiência já seria um grande avanço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário